Muitas imagens da arquitectura foram «iconoteologia». Many images of ancient and traditional architecture were «iconotheological». This blog is to explain its origin.
7.2.15

Quando nos apercebemos que algumas imagens que estão na arquitectura são - praticamente - as mesmas que aparecem em insígnias reais, na heráldica, ou até por vezes em sinais distintivos que foram marcas de povos, ou dos seus exércitos; quando isto acontece temos que reconhecer que a Historiografia da Arte se tem dispersado, e gasto demasiadas energias (senão até aquilo que deveria ser como a sua autoridade científica) em temáticas colaterais.

A historiografia esqueceu-se que nasceu - ou se reforçou, enquanto disciplina científica - ainda agarrada a um núcleo interdisciplinar (ou muito transversal) de saberes e conhecimentos.

E hoje, bastante esquecida dessa pluralidade, fascinada com a imagem (ou sobretudo com o estatuto que a Arte adquiriu nas sociedades contemporâneas*), hoje a história da Arte e o seus agentes, parecem contentar-se com apreciações relativas à beleza, à ideia de harmonia, deixando para trás a essência dos objectos artísticos: o porque surgiram?

Presépio-25.12.2014-fAIXAS E CRUZ-PÁTEA

Não é triste, mas apenas curto, na medida em que isso a que agora chamam Arte é extraordinariamente reduzido. Por se tratarem de conjuntos de dados que deixaram de compreender; mas também ...  Dados que não se podem desprezar sob pena da Europa e os seus Governos estarem a deitar dinheiro fora: ao sabor das birras e invejas que se albergam nas instituições de Ensino Superior...

Na imagem acima um outro excerto do Presépio Iconoteológico que fizemos. Pois pareceu-nos que faria sentido - usando as mesmas lógicas da Arte Medieval, dispor entre os panos usados para aquecer o menino recém-nascido alguns dos sinais que os primeiros Reis de Portugal também usaram. Não para se enfeitarem, mas para serem identificados.

Já as faixas de pano foram entrecruzadas, formando Xs e Ys como se vêem nas abóbadas medievais, por serem igualmente sinais que identificaram Cristo, que também foi designado Rei. As mesmas faixas ou filacteras que desenharam símbolos do infinito, e as que pedra-a-pedra, depois de «subidas», permitiam chegar ao auge ou ogiva, palavras derivadas do verbo latino "augere" *.

Depois, porque pelo Baptismo (ver rito católico) cada um se torna - como Cristo - Sacerdote, Profeta e Rei, assim também se percebe que deste sacramento tenham saído vários sinais que hoje estão na Arte Cristã

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

*Segundo a concepção de Hugo de S. Victor e os seus Tratados - teológico e arquitectónico - dedicados à Arca de Noé

 Ver ainda: http://primaluce.blogs.sapo.pt/

link do postPor primaluce, às 13:00 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



 
Primaluce: Uma Nova História da Arquitectura
Fevereiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
28


tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO