Muitas imagens da arquitectura foram «iconoteologia». Many images of ancient and traditional architecture were «iconotheological». This blog is to explain its origin.
10.12.15

Novo post a acrescentar ao anterior, visto termos imensas informações, acrescidas do que vamos encontrando, como é neste caso uma outra recensão do trabalho de Patrice Sicard intitulado: Diagrammes Médiévaux et Exegese Visuelle: Le libellus de formatione arche de Hugues de Saint-Victor.

Como mostra (mais uma vez) o excerto escolhido**, os vários autores nossos contemporâneos, incluindo Patrice Sicard, não compreendem que se tenha podido fazer arquitectura de maneiras e processos que são completamente diferentes dos actuais. 

Só aceitam que tenha havido Arquitectura quando eles encontram - e vêem à sua frente - as Plantas, Corte e Alçados, que julgam ser os únicos elementos e documentos da praxis profissional.. 

Ora nós sabemos de inúmeras situações, já lá vai o tempo, é verdade, em que até as Câmaras Municipais autorizavam as construções, bastando-lhes para isso, que se apresentasse uma Planta e uma Memória Descritiva***.

E nesses casos, era à dita Memória (mais ou menos justificativa, mas sobretudo descritiva) que competia a maior informação sobre o que se pretendia construir.

Depois deste parêntesis explicativo, há que acrescentar o que nos interessa evidenciar no texto abaixo (à semelhança do que acontece noutros): Dos De archa Noe de Hugo de S. Victor o Libellus (o 2º escrito de menores dimensões) reuniu os procedimentos necessários à execução. O 1º escrito, também mais conhecido como Arca Moral, reunia a Teologia, ou a base fundamentadora (teológica) da imensa alergoria ou metáfora que se pretendia edificar.

excerto-Jean-PhilippeAntoine.jpg

(clic na imagem para legenda)

* "Origens..." que tanto preocupavam, obsessivamente,  a nossa orientadora de estudos de mestrado - Maria João Baptista Neto -, como é facílimo provar, e que, encontrada a Chave do Enigma, deixou cair esse assunto! Calando-se como alguém que nunca deveria estar no Ensino; já que não é esse desiderato ou são os objectivos da Investigação no Ensino Superior.

** Vindo de: Annales. Histoire, Sciences Sociales , 51e Année, No. 1 (Jan. - Feb., 1996), pp. 150-153

***Por mais estranho que a todos nos pareça, pois naturalmente achamos (hoje) que são também necessárias várias plantas, e sobretudo inúmeros cortes verticais, e os alçados para poder estudar e depois comunicar aos executantes a imagem final que se pretende conferir ao trabalho a realizar.

Voltar a: http://primaluce.blogs.sapo.pt/

link do postPor primaluce, às 15:00 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



 
Primaluce: Uma Nova História da Arquitectura
Dezembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO