Muitas imagens da arquitectura foram «iconoteologia». Many images of ancient and traditional architecture were «iconotheological». This blog is to explain its origin.
31.5.14

É assim, com a frase que está no título, que José Eduardo Horta Correia termina o primeiro parágrafo do seu Prefácio à edição portuguesa

de: A Arquitectura Portuguesa Chã, Entre as Especiarias e os Diamantes (1521-1706)*. 

 

E para já abstemo-nos de mais comentários, pois citar Horta Correia, aqui, poupa-nos palavras. Como logo adiante - depois dos extractos que estão acima - vai tentar justificar aquilo que sabemos ser diferente:

Não as séries de que (Horta Correia) escreveu, mas os Ideogramas: como nós preferimos designar os desenhos que estiveram na origem das várias formas a que se refere. Formas que desde o Paleocristão nunca deixaram de ser empregues, com mais ou menos variações...

Mesmo em Inglaterra, nos «novos serviços públicos» que foram criados no século XIX - as Estações de Caminhos-de-ferro!

E algumas Estações de Londres, ou até as portuguesíssimas - desde Santa Apolónia a Campanha -evidentemente que muitas delas beberam na mesma fonte:

A da Iconografia Cristã.

A mesma que também a Fonte dos Canos de Torres Vedras, ou o Aqueduto das Águas Livres de Lisboa, patenteiam: é tudo o mesmo. É sempre a mesma lógica.

A de um nobre ou a de um rei – que porDireito Divino”se afirmava ao serviço do seu Povo

Poderia aliás dizer-se que assim «ministrava» o povo. É isto que está plasmado nos monumentos.

Agora, quando se olha para a Política dos nossos dias**, percebe-se a origem da constatação de Horta Correia: como "é pobre o panorama da Historiografia da Arte", e da Arquitectura... (acrescentamos nós); e sobretudo como hoje estão tão longe as situações equivalentes. Longíssimo, a ponto de se questionar: 

Quem pode ler no tempo presente aquilo que (nesta temática) é uma vaga analogia do que foi no passado? Quem pode, deste modo, com lógicas que são tão diferentes das que existiram, quem pode assim compreender os Estilos?

~~~~~~~~~~~~~~

*Ver em George Kubler, A Arquitectura Portuguesa Chã, Entre as Especiarias e os Diamantes (1521-1706), Vega 2005, pp. 7, 8 e 9.

**Em que as noções de «Deus-Pátria-Autoridade» já não estão amalgamadas, nem associadas... 

http://primaluce.blogs.sapo.pt/ja-escrevemos-que-o-mec-se-faz-195155

link do postPor primaluce, às 00:00 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




 
Primaluce: Uma Nova História da Arquitectura
Maio 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO