Muitas imagens da arquitectura foram «iconoteologia». Many images of ancient and traditional architecture were «iconotheological». This blog is to explain its origin.
29.2.16

É verdade, a maioria dos azulejos estão repletos de Ideogramas, a que todos chamam Símbolos* (se os virem noutros contextos visuais, que não em «banais» azulejos...).

Note-se que para nós, actualmente, depois do muito que Thanks God aprendemos, hoje vemos os Símbolos como articulados - escritos, com palavras - como é o Símbolo de Niceia-Constantinopla, também designado pelos católicos mais informados como Símbolo da Fé ou Credo.

Porém, para não sairmos da realidade onde estamos, ou deixar de pisar o mesmo chão que todos pisam, e onde enfim todos se ««entendem»»; para isso, claro que (até ver...) ainda estaremos ligados à palavra Símbolo, provavelmente durante muito mais tempo?

O que é interessantíssimo verificar - e aqui corresponde à nossa noção de Símbolo - é que quando se pretenderam fazer obras (construções/arquitectura) foi possível usar imagens e formas tridimensionais, consonantes e sinónimas desses Símbolos da Fé**. Ou seja, como tem sido atribuído a quem ficou para a História com a designação de Pseudo-Dionísio - o Areopagita, um autor que no século V-VI considerava que as "mentes mais perspicazes" não teriam dificuldade em estabelecer correspondências entre ideias (ou palavras) e imagens.

 

Mas, claramente, isso foi há muitos séculos, pois nem todos têm (hoje) um nível de perspicácia elevado como tinha o Areopagita no século VI; ou ainda a perspicácia que teriam, igualmente, aqueles que o rodeavam; pois ninguém, ou a maioria, já não fala por metáforas e analogias, ou sequer consegue estabelecer «correspondências ideológicas»! Aqui a começar aliás pela própria palavra ideologia que, pobre coitadita, anda a ser reduzida à política partidária, não conseguindo servir para muito mais do que isso...

Avancemos pois, já que no caso seguinte está uma imagem que é icónica, mas não naturalista (no mundo natural não existe, como esquema só o representa); mas que tem funcionado como Símbolo. E a melhor prova deste facto é a sua inclusão na bandeira nacional.

 

azulejos-pena(2).jpg

 

Redesenhámo-lo, e como de costume esse simples acto trouxe-nos mais informações..., já que como Feynman disse "O que não consigo construir não consigo compreender".

E por aqui estamos na mesma

azulejos-pena.jpg

 

Mais uma vez sorte que é sorte dá trabalho. Aqui, será o de:

"...uma Escrita Ibérica à procura do seu Champollion?"

~~~~~~~~~~~~~~

*Ou seja, as mesmas formas que frequentemente estão na planta (ou na conformação da implantação, para tentar ser mais explicita e esclarecedora) de inúmeros edifícios.

**Para nós, já o escrevemos muitas vezes e continuaremos a fazê-lo, é deveras impressionante compreender como algumas igrejas, conventos ou catedrais góticas, conseguem exprimir nas formas tridimensionais escolhidas, palavra-a-palavra o articulado (redacção em palavras) que um símbolo da fé constitui.

link do postPor primaluce, às 15:00 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



 
Primaluce: Uma Nova História da Arquitectura
Fevereiro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO