Muitas imagens da arquitectura foram «iconoteologia». Many images of ancient and traditional architecture were «iconotheological». This blog is to explain its origin.
21.8.15

Porque quando refere a IGREJA, representada pelo navio, percebe-se que desconhece a publicação em grego dos primeiros livros da Bíblia, para os "Amigos do Saber".

Ou seja, para os filósofos contemporâneos de Aristóteles (como já explicado/escrito por uma autora francesa).

Informação que nos transporta para aquilo que os Professores das Universidades - como Vítor Serrão, Maria João Baptista Neto..., etc. - eles tanto gostam, e exclusivamente são capazes de entender!

De Letras, letras e mais letras, pois só essas são significantes. E das imagens? Népias..., porque eles não acreditam no que elas dizem*?

Portanto estamos nos antípodas, já que preferimos a praia e o sol, em vez de estar numa cadeira a engordar; ou a ficar com vertigens para provar a uns hiper-lentinhos que toda a imagem da arte sempre foi falante!

São eles que ficam na Universidade a espalhar fantasias infindas, quando nós já nos cansámos de tanta historinha bacoca, para justificações sem sentido ...

São eles que não entendem - e o ministro Pires de Lima que não sabe (?) - que a Economia da Cultura implica valores ($$$$) nada despicientes.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

*Como é o caso seguinte, altamente descritivo pelos gestos dos humanos, e portanto, por esse lado, como «o algodão não engana»...

 

Image0036-A.jpg

 

Mas em que já o enquadramento dado à imagem, com vãos e capitéis (que por acaso se aproximam dos «esquemas gerais» que estão em Monserrate), isso é outro assunto! Pois pouco ou nada lhes diz, embora, para alguns outros investigadores, uma alternância, continuada, entre os números três e quatro, possa estar repleta de sentido. 

 

trifolios e quadrifolios.png

 

Embora, os vãos possam (e outros elementos arquitectónicos também com eles), tal e qual como escrevemos em Monserrate uma nova história (ver p. 130) dar informações que permitem localizar geograficamente, ou temporalmente, as obras feitas:

Porque "...as formas em pedra, que são guarnecimento dos vãos – Góticos ou Manuelinos – funcionam também como 'dados de uma tábua cronológica'...” , enfatizando o alcance das sínteses artísticas feitas com elementos naturais e geométricos.

Para concluir aguarda-se pelo tempo em que os Historiadores de Arte saibam explicar com um mínimo de lógica os processos de conceptualização das obras: como o mundo natural e o da imaginação cristã - ao criar imagens ao serviço de Deus, ou ICONOTEOLOGIA - desenhou os cenários reais, e por vezes também os mentais, em que habitamos; ou, os que também vivem nas nossas mentes:

Imagética mental que dificilmente nos larga (a todos), e que, de variadas maneiras começa a ser abordada - em tempos de «ciências mais laicas» e menos auto-constrangidas.

 

link do postPor primaluce, às 23:00 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




 
Primaluce: Uma Nova História da Arquitectura
Agosto 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO