Muitas imagens da arquitectura foram «iconoteologia». Many images of ancient and traditional architecture were «iconotheological». This blog is to explain its origin.
6.4.16

Muitos perguntam-se, e perguntaram-nos pessoalmente entre 2002 e 2005, onde fomos buscar certas ideias e informações.

Uma dessas noções de que pouco ou nada sabíamos antes (e tudo o que em cadeia daí saiu depois),  encontrámo-la em António Filipe Pimentel, no seu estudo dedicado ao Palácio e Convento de Mafra, publicado pela Livros Horizonte.

É um trabalho fantástico, repleto de notas que muito nos influenciou. Leiam!

Mas hoje, em que muita água já nasceu, choveu, correu e chegou ao mar, também as nossas ideias se ampliaram, com apoio de outros autores. É o caso de M.-D. Chenu, que não lemos apenas em Patrick Démouy, mas em obras de Teologia. Informações que dá e mostram bem não só uma transversalidade dos saberes que são precisos percorrer (sem fronteiras), para se poder compreender o mundo em que estamos*, concretamente os seus valores patrimoniais e como as imagens que essas obras (culturais) integram, nasceram, não na natureza, mas na mente humana**.  

Formas que alguns dirão serem abstractas, mas que nós preferimos chamar-lhes ideogramas, imagens de origem conceptual. Formas que segundo Chenu também serviram para "adensar simbolicamente" as obras em que foram incluídas:

Imagens que nem sempre foram simplesmente estampadas - como se fossem letras de textos - mas plasmadas (ou 'built in'): i. e., esculpidas e integradas, também a três dimensões, na arquitectura. 

O que para acontecer - para transformar uma edificação num memorial, monumento histórico, ou numa exaltação da realeza e das suas prerrogativas - obrigou à manipulação dessas mesmas imagens de modo a que, simultaneamente, mantivessem as suas formas significantes (legíveis), e conseguissem, por exemplo, também fazer o suporte das edificações.

Mas ainda, e igualmente a dar outros contributos como: a definir os contornos dessas edificações, a dar forma(s) aos pavimentos que seriam pisados por pessoas de diferentes posições hierárquicas; a dar forma à luz que atravessava os vãos e se projectava em sombras (ou em luz), desenhando repetida e enfaticamente, os mesmos ideogramas, ou as ditas formas conceptuais, tradutoras de Deus. Etc., etc...

Só explicando e ajudando a compreender o passado de que somos herdeiros é que se conseguirá alcançar uma adequada interpretação do que está para trás: um passado que é cada vez mais difícil de entender para as mentalidades de hoje, por muito informadas que as mesmas se suponham. E, mesmo assim, será só em parte (talvez?) que se reconstituem o que foram/são lógicas antiquíssimas:

Como a Unção de David, que depois foi Rei dos Judeus, e durante séculos e séculos influenciou ritos, a liturgia e os seus «equipamentos materiais». Também o design dos espaços onde decorreram esses actos (litúrgicos), como era a Sagração de um Rei.

E claro que um Rei que era sagrado, ou ainda considerado santo - possivelmente de origem divina? -, também era o protagonista, por excelência, dos maiores feitos. Como o vencedor das batalhas que, numericamente, se previam perdidas. Assim acontecendo na batalha de Milvius (com Constantino), em Tolbiac (com Clóvis), em Ourique (com Afonso Henriques)... 

PatrickDemouy-REIMS.png

 

*Ao qual viemos parar, como a água ao Oceano

**É sem qualquer dúvida uma das mais interessantes questões da Arte - a proveniência das formas: De onde vêm? São naturais ou artificiais? E sendo artificiais, como foram originadas? Será uma Kalocagatia?

***Associações que, não é raro ou impossível encontrar. 

Voltar às estranhíssimas leituras

link do postPor primaluce, às 00:59 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




 
Primaluce: Uma Nova História da Arquitectura
Abril 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO