Muitas imagens da arquitectura foram «iconoteologia». Many images of ancient and traditional architecture were «iconotheological». This blog is to explain its origin.
26.7.18

Sobre ICONOTEOLOGIA

 

Este palavrão que alguns portugueses acham deveras «feioso», e que aqui achamos quase muito bonito.

 

Não pelo som, mas pelo significado: porque é fantástica a rapidez com que a contracção para uma só palavra de ICONOS com TEOLOGIA nos transporta para uma ideia concreta.

 

Tomaram os designers (visuais) poder dispor de vocabulário visual que tivesse tal como esta palavra tem, uma  correspondência tão forte - que aqui é entre som e sentido significante – tomaram eles ter isso, entre imagens e correspondente significado.

 

Dizemos “tomaram eles...”,  embora saibamos que há algumas imagens:

 

 

-----»           (exemplo esta)             ∞ 

 

que sempre foram fortíssimas a traduzir alguma ideia.

 

Mas este post é para dar a conhecer o Pe. Eugenio Marino inventor da palavra ICONOTEOLOGIA.

É verdade, que no documento a que acedemos ainda a palavra estava seccionada, mas como podem calcular, para alguns (nós que aqui estamos...)  da ideia de colar as duas partes à concretização foi um ápice*.

 

No site seguinte da Biblioteca Domenicana de Santa Maria Novella é referido Eugenio Marino:

http://www.bibliotecadomenicana.eu/

 

E também aqui: http://www.e-theca.net/emiliopanella/hospes2/marino.htm

 

Neste nosso blog https://iconoteologia.blogs.sapo.pt/  podem encontrar outras referências indo por aqui:

 

https://iconoteologia.blogs.sapo.pt/search?q=Pe.+Eugenio+Marino&Submit=OK

Image0017.JPG

Do Catálogo do Carpe Diem, Arte e Pesquisa, feito para assinalar 5 anos de actividade (em Maio de 2014).**

Lado direito da fotografia, de uma instalação em que vários espelhos enfatizam a pintura existente na parede de uma sala, no Palacete na Rua do Século (onde está instalado).

Chama-se a atenção para o emprego de um IDEOGRAMA (os dois círculos entrelaçados), que ao ser repetido cria um padrão, que dizemos ser falante e por isso decorativo (na antiga acepção da palavra decorativo) .

 

O mesmo que está no túmulo de Egas Moniz e funcionou para nós - depois do briefing da Maria João Neto (em Dezembro de 2001) - como chave/preâmbulo a permitir a aceder a um imenso tema, Até agora desconhecido e inexplorado de acordo com as regras da actual «Academia».


O que nos lembra Pierre Magnard e o que com ele aprendemos sobre a Academia de Platão, que 20 séculos depois, em Florença, foi renovada por Marsile Ficin.

Reparem que o excerto seguinte termina a lembrar que foram 2000 anos, contínuos, a desenvolver o saber com criatividade e com moral.

[Óbvio - tínhamos que sublinhar o moral, cansada que estou dos imorais professores doutores da UL, e dos seus «sucedâneos», mais ou menos dispersos, mais ou menos (des)qualificados que se disseminaram por tudonquanto é escolinha de vão-de-escada]:

 

« La sagesse a toujours eu ses lignages ; on parlait autrefois de phylum et de concatenatio, la consistance résidant moins dans ce qui est transmis que dans la transmission elle-même, qui fait vivre l'Académie de Platon du Jardin Akadémos à la villa Carregi, c'est à dire du 4e siècle avant J.C. à Marsile Ficin qui meurt en 1499, soit vingt siècles continus de création et de morale. La modernité eut la prétention de se vouloir inaugurale. Pourtant Descartes lui-même demeurait fasciné par les grandes chaînes de raison qui portent le développement du savoir.»***.

 ~~~~~~~~~~~~~~~~

*Sabemos alguma coisa de colas, sejam elas os formaldeídos industriais, ou das simples colas domésticas feitas à base de farinha; portanto, daí a perceber que uma língua também tem uma mecânica, como 2 peças de madeira se juntam ou se encaixam, não vai uma grande distância!

Mais, quando George Hersey  explica a ligação da Filologia à Edificação, então ele e outros (como Mary Carruthers) não só nos ajudaram a passar uma linha vermelha, como contribuíram para uma espécie de «grande festa»:

Onde apesar de se deverem manter as regras de sobriedade (e a máxima Sageza) -  próprias da Ciência –, sobretudo há que recuar no tempo, e talvez muito mesmo! 

 

Para ir ao encontro dos antigos Sábios ou dos Filósofos que tratavam de tudo, sem terem as mentes preconceituosas dos «académicos contemporâneos». Assim insiste-se, reler acima o excerto de Pierre Magnard, ou aproveitar (nota seguinte) o remate final do seu artigo.

 

**Fico sempre fascinada com os artistas (contemporâneos), Pela sua sensibilidade/curiosidade capazes de constatarem que algo se terá passado...? Como os círculos pintados da parede terão intrigado alguém, ao ponto de esse alguém perceber que ali estava uma imagem e um thema, a explorar, a trabalhar. Enfim a ampliar, num diálogo entre o antigo e o actual 

 

*** Ver no fim do artigo (p. 5), do PDF

link do postPor primaluce, às 12:00  comentar

17.7.18

Disputa_del_Sacramento_(Rafael)-VATICANO.jpg

Ver aqui

Disputa_del_Sacramento_(Rafael)-VATICANO-b.jpg

Superiormente está a imagem geral; aqui em cima, extraiu-se a vertical que estrutura toda a composição e inclui as Três Pessoas da Trindade. Em baixo está o maior detalhe da «disputa» que estava em causa.

Disputa_del_Sacramento_(Rafael)-VATICANO-c.jpg

Para o que nos interessa:

Reparar na frente do altar, nos entrelaçados (significantes), semelhantes aos que se vêem em tantas outras situações. Concretamente na indumentária do rei D. Sebastião, como se tratou em post anterior.

link do postPor primaluce, às 23:00  comentar

12.7.18

Estamos ainda hoje a referirmo-nos a um post escrito em 22 de Junho passado. 

 

No título escrevi que tinha adorado aquela informação: ou seja, saber da existência de um perfume cuja embalagem, no seu design (e respectiva concepção) se tinha empregue iconografia antiga.

 

A mesma Iconografia que há séculos está (foi) associada ao sagrado, também à Nobreza e às Monarquias, e nos levou a chamar ICONOTEOLOGIA a este blog. 

 

Porque aqui se quer provar - indo mais longe do que já deixámos em Monserrate* -, a génese Teológica (cristã) da maioria das formas empregues na Arte Ocidental, e que por isso passaram à Arquitectura. Talvez a mais perene das Artes?

Também a que mais facilmente (ou a única) recebe iconografia geométrica e abstracta?

 

Por isso passamos já a um exemplo, muito rico e muito «falante» que é o retrato de D. Sebastião do MNAA.

d-sebastiaoreduz-inv-1165-pint-MNAA.png

Retrato cuja descrição se pode ler aqui, mas da qual também realçamos uma imensa falta de informação, patente no (muito pouco) que foi escrito ou consta nessa descrição.

 

Concretamente, enquanto nós já investigámos e aprofundámos - repetidamente - esta temática, e por isso estamos cientes do valor significante da iconografia empregue no traje com que o rei foi retratado**; lamentavelmente, diz essa nota descritiva do MNAA, que o traje real tem desenhos geométricos.

Está escrito isto (leiam) "armadura tauxiada ricamente decorada a ouro com motivos geométricos,...”

 

"E pronto já está!", "ficou dito", dizemos nós. Pois eles - os responsáveis do MNAA -, "são uns pobrezinhos que nos fazem pena, pois não sabem mais do que isso! Taditos...!"

 

Não sabem que há varandas com esta iconografia, em ferro; que há grades de grandes portões, no Terreiro do Paço (i. e., na P. do Comércio).

Não sabem que está também em pinturas de Nuno Gonçalves, ou também, pelo menos, numa obra de Rafael no Vaticano!?

'Tadinha mesmo, uma pobre de uma Iconografia, que para os (ir)Responsáveis desta área Cientifica, não vai além da referenciação (ou designação) como simples "motivos geométricos" ! Obrigada senhores doutores...

Isto é, e agora na troça que queremos fazer*** - usando a terminologia de Vítor Serrão (prof. de História da Arte na FLUL...) -, "uma pobrezinha de uma Iconografia que não tem qualquer fortuna crítica"!

 

Ou seja, da qual ainda ninguém tratou - como sucede connosco, e os nossos estudos -, porque o mesmo Vítor Serrão achou que podia esconder (o Sol com a peneira...), até quando? .

 

Uma ICONOGRAFIA que aqui se amplia, provando como imagens que poucos conhecem, ou sequer as contextualizam (!), no entanto, na actualidade, podem servir o design...

E ainda bem!

d-sebastiaoreduz-inv-1165-pint-MNAA-C.png

Podem - como no post de que tanto gostei, do Luís Chimeno Garrido. Podem por exemplo, valorizar um frasco de perfume, e a essência que contém

 

*Ver em Monserrate uma Nova História, por Glória Azevedo Coutinho, Livros Horizonte, Lisboa 2008.

**É verdade que está escondido, mas aí a culpa não é nossa. Já que, por exemplo, para que haja sucesso nas investigações há que estar e trabalhar com entidades idóneas. E entre os vários aspectos que contam para a qualidade das investigações, além da saúde (física e das condições do investigador) estão as qualidades das instituições em que estamos inseridos e a trabalhar. Mas enfim, não escolhemos, não podemos preferir/definir, as qualidades dos que nos têm «comprado»

***Deste país «sequioso de inovação» (dizem eles). Destes designers, destas áreas científicas onde a seriedade é quase zero!

Não fora os honestos, que os há, mesmo que cada vez mais, eles/nós, sejamos apoucados, todos tornados em «cada vez menos»... 

 

Em suma: hoje aqui um D. Sebastião cheio de "arabesques", quando certamente esse motivo decorativo ainda não tinha tal designação

link do postPor primaluce, às 00:00  comentar

 
Primaluce: Uma Nova História da Arquitectura
Julho 2018
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO